Nas duas últimas sessões da Câmara, os vereadores se revezaram na críticas sobre os problemas, descontroles e exageros da atual administração nas contratações de comissionados, terceirizados, estagiários, bem como o descaso com os casos da dengue e abusos nos cortes de árvores das Avenidas e praças, assim como as suplementações de 14,5 milhões, o escandaloso caso dos tênis com o “brasão” do Município de Santa Tereza do Oeste e decisão do Tribunal sobre cassação de sentença do Juiz da Comarca sobre o questionamento das irregularidades apontadas na condução do processo de cassação do Copatti.

“Comissionados, estagiários e terceirizados já estão se atrapalhando nas repartições da prefeitura”, afirma vereador TITI

 Um dos vereadores mais indignados com o exagero das contrações do atual prefeito Vice-Zado, foi o vereador TITI, que classificou de “espantoso” o número de nomeações de cargos de confiança e contratações da Costa Oeste, as quais estariam transformado o Município no único contratador. Disse que onde tinha 4 pessoas, agora tem 8, 10, 20 e que não consegue ver como os funcionários vão desenvolver trabalhos, pois existem setores que cabe meia dúzia, mas tem gente se estorvando, um verdadeiro inchaço e não é o número que vai gerar eficiência, pois o cidadão continua reclamando do lixo, dos entulhos e galhos nas calçadas.

 O vereador JÚLIO e EDSON, endossaram os comentários de TITI, destacando que a terceirização está ocorrendo em todos os setores, não só na limpeza, mas também na saúde, educação, motoristas, segurança e serviços essenciais que não poderiam ser terceirizados. Denunciaram o tráfico de influência, contratações de cabos eleitorais e que as assessorias de gabinete estariam convocando “grupinhos” para saber sobre apoios políticos e dias depois, a terceiriza Costa Oeste, começa a dispensar, sem justa causa, dispensando do cumprimento dos 30 dias e contratando outras pessoas de imediato, pagando, assim, duas vezes. Citando como exemplo a contratação de vários vigias para os mais diversos departamentos, subprefeituras, através de mais um novo contrato com a Costa Oeste de mais de 18 milhões. Observando que todas as motivações para cassação do prefeito Copatti, foram por causas das nomeações, mas que agora se percebe que, enquanto no governo Copatti havia 90 comissionados, hoje são quase 130 e que havia cerca de 300 terceirizados, hoje são mais de 500 somente na Costa Oeste.

Na última sessão de 02.03.20,  o vereador TITI voltou a cobrar o inchaço da máquina pública, afirmando que setores que tinha 8 pessoas, hoje tem 12, 20, inclusive vigias na parte diurna que ficam se “empurrando nas repartições” e, que queria chamar a atenção do prefeito Zado para que pense e não use tais contratações como instrumento político, pois é um desleixo com os recursos públicos, bem como para que reveja as ações, pois até estagiários estão sufocando a administração e a Costa Oeste contratando indiscriminadamente.

Segundo o vereador, “não existe critérios ou noção sobre a realidade da arrecadação sem os royalties e que essa forma de contratações e nomeações desenfreadas não é administração responsável e que sequer existe pessoal para orientação dos estagiários, apenas contrata para contratar para qualquer função, como telefonista, quando são universitários e deveriam prestar algum serviço útil, mas que apenas são usados como cabide de emprego, para fins eleitorais”.

Critica a mais uma suplementação de 14,5 milhões

O vereadora TITI, também criticou a forma desenfreada de desperdiçar dinheiro público, destacando mais um pedido de suplementação14,5 milhões, enviado à Câmara pelo prefeito Zado. Alertou sobre a redução no recebimento dos recursos do royalties em janeiro de mais de 59% e destacando a contratação dos “globais”, tais como Oscar Schimd por 39 mil e de outra “global” por 41 mil e que o programa “Santa Helena Saudável” consumiu mais de 200 mil e shows, cafés, palestras. Disse por fim o vereador “que não se está medindo mais as consequências do inchaço e dos gastos com palestras, shows”.

Projetos e reuniões públicas para contar mais de mil árvores de praças, ruas e avenidas do Município

Vereadores também se revezaram nas críticas a apresentação de projetos prontos e as designações de audiências públicas de última hora e horários e impróprios. Tudo para obter a aprovação para o corte de árvores de ruas e praças a fim de executar obras às vésperas de eleições como fez o último prefeito não reeleito.

 De fato, o atual gestor Vice-Zado, vai passar para a história como o prefeito que mais destruiu ou cortou árvores de ruas e praças públicas do Município, exemplo disso foram as “imbecis” decisões ou projetos levaram a cortar, do dia para a noite, dezenas de árvores cinquentenárias da Praça Santos Dumont, da praças de Sub Sede e de várias outras Avenidas e Ruas centrais da cidade, expondo ainda mais a população e os pedestres ao sol de 43 graus a sombra, pois, conforme salientou um vereador, com tantas calçadas e concretos no lugar das árvores, o calor pode chegar a  50º. 

Segundo vereadores, as audiências públicas, são apenas para cumprir a lei e pedir para contar as árvores e não discutir os projetos, já que todos estavam prontos, licitados e pagos, sendo que, inclusive, alguns funcionários da prefeitura se levantam para criticar qualquer objeção, sugestão ou questões diferente levantadas pelos raros cidadãos presentes nas audiência, pois a maioria são servidores comissionados da prefeitura.

Ainda, segundo vereadores, pelos projetos apresentados e aqueles já em execução, estima-se que mais de mil árvores serão cortadas ou destruídas, demonstrando a insensibilidade da atual gestão, bem como a falta de criatividade, para não dizer mediocridade dos projetistas que sequer conseguem imaginar um projeto contornando uma árvore cinquentenária e projetar na sua frondosa sombra um jardim. Não é por nada que o comentário irônico das ruas, é que agora “sombra” somente nos gabinetes do prefeito.

Descaso do poder público com a epidemia da dengue

Parece que após a denúncia de um cidadão sobre o descaso da prefeitura, em que os próprios bens públicos estão servindo como criatório de dengue, como é o caso do chafariz da Praça Central Orlando Weber.

Os vereadores, nas duas sessões, questionaram a atuação do Município sobre a prevenção da doença que está se espalhando. Criticaram o descuido parte da Prefeitura e, Segundo o Vereador TITI, o poder público é um dos principais responsáveis pelo número de casos, já que a maioria dos terrenos baldios da cidade e que acumulam água, lixo e galhos são de propriedade da prefeitura. Já a vereadora Gesila, também destacou o lixão de São Clemente e o vereador Noro disse que mais de 198 municípios do Paraná já tem casos de dengue, sendo que Santa Helena existem mais de uma dezenas de casos confirmados e centenas de suspeitos.

Caso dos Tênis de Santa Tereza do Oeste, Vereador critica a resposta da Secretária da Educação

Novamente o vereador TITI, ao cobrar da Secretária de Educação uma explicação sobre o fornecimento de Tênis ao alunos das escolas públicas com o “brasão” ou nome do Município vizinho de Santa Tereza do Oeste, disse que a Secretária fez pouco caso, dizendo que se tratava de “picuinhas” políticas.  Todavia TITI lembrou que não se tratava de questão política, mas sim de omissão ou incompetência da administração ou pelo menos da comissão de recebimento que não fiscalizar a entrega do material da empresa que ganhou a licitação, gerando suspeita de que o Município teria adquirido “sobra” de tênis licitados pela prefeitura de Santa Tereza do Oeste.

Finalizando, TITI disse que a Secretária ou o Município não estão fazendo a sua parte na fiscalização e que não é questão política, mas de responsabilidade, pois é o dinheiro público que está sendo gasto e as crianças que precisam não mereciam tal sitaução.

No mínimo o que se espera da Secretária e do Prefeito é a instauração de um inquérito administrativo para apurar a responsabilidade da empresa que entregou o material de sobra de outra prefeitura e da responsabilidade da comissão de recebimento do material para que seja reparada a humilhação, com no mínimo recolha dos tênis e a entrega outros com o “brasão” e nome de Santa Helena, porque se continuar com essa terceirização em tudo, é bem provável que Santa Helena, realmente, mude mesmo de nome.

Decisão do Tribunal que reverteu decisão do Juiz da Comarca sobre Cassação de Copatti, faz com que vereador NORO e Presidente da Câmara se expliquem

 O Site a FOLHA foi a primeira mídia a divulgar a decisão correta do Tribunal de Justiça do Paraná, o qual decidiu pela cassação/anulação da sentença do Juiz da Comarca, a respeito da Ação de Mandado de Segurança impetrado pelo prefeito Copatta em que questionada diversas irregularidade no processo de sua cassação conduzido pelo Presidente Paulo Vasatta e relatado pelo vereador Noro de forma unilateral, sem a assinatura ou manifestação dos demais membros da Comissão, inclusive do Presidente TITI e do Edson.

 Todavia, algum meios de comunicação, ligados umbilicalmente ao prefeito Vice-Zado, sem conhecimento do conteúdo da decisão do Tribunal, chegaram a “noticiar” antecipadamente informação inverídica, sem a devida checagem, atribuindo, inclusive, que a informação da FOLHA era  a falar que a decisão do Juiz não havia sido anulada e que a notícia Fake.

Mas a verdade é que, com a decisão do Tribunal, os Vereadores e a imprensa oficial que apoiou e apoia incondicionalmente o vice-Zado, não podem mais dizer que a decisão de cassação do prefeito Copatti, teve o aval ou foi julgada pela justiça como sendo regular como sempre propagaram nas mídias.

Com a decisão de cassação da sentença do Juiz da Comarca, o processo e as alegações de irregularidades na condução do processo de Cassação da Câmara, voltam a ser discutidas e reforçadas com os fatos que confirmaram as decisões unicamente de interesse político dos vereadores que passaram a fazer parte do novo governo Zado em todas as secretarias e setores, especialmente porque o Tribunal determinou que o Presidente da Comissão, vereador TITI, o qual votou contra a cassação deve, obrigatoriamente,  fazer parte da ação no polo passivo. Sendo que TITE já se manifestou da tribuna que deve se manifestar por escrito nos autos da Ação no momento oportuno.

Assim, as irregularidades apontadas na Ação por Copatti, especialmente na condução das sessão de deliberação da cassação, o relatório final apenas foi apresentado pelo vereador relator NORO, sem a assinatura ou acatar as questões de ordem levantadas pelos demais membros da Comissão, segundo o Tribunal, podem caracterizar abuso de poder e afronta aos membros da Comissão, tanto que mantiveram o Presidente da Câmara como ré, pois em tese teria interferido e praticado abuso de poder, quando não aceitou as questões de ordem e deu andamento a sessão de julgamento sem obedecer o trâmites legais.  Mas o vereador NORO aos se justificar, disse que apenas fez o relatório final ou parecer, conforme orientações de suas “assessorias jurídicas”. E o vereador PAULO VASATTA, presidente da casa que continua a responder a ação, argumentou que cabe a justiça decidir o caso e que ele apenas cumpriu com sua função.

Já os vereadores EDSON e JULIO chamaram a atenção para a decisão do Tribunal, argumentando que os procedimentos, especialmente, quanto apresentação do relatório final, foi abusivo, pro ter sido apresentada apenas pelo relator NORO e por não ter oportunizado aos demais membros a apresentação do relatório em conjunto ou pelo menos assinado o relatório, sendo que  Tribunal  destacou essa suposta irregularidade, possibilitando, assim um novo julgamento, o qual pode reverter a cassação,  agora cassando a decisão dos vereadores que praticaram atos com abuso de poder ou com irregularidade na condução do processo.

Mas segundo o vereador NORO, um dos mais criticados pela postura, tudo que fez foi por “orientações do jurídico”, quando em aparte pedido pelo vereador EDSON, lembrou que, de fato, todos seus “assessores jurídicos” hoje estão na prefeitura ocupando algum cargos inclusive assessorias extra ao processo que apareciam todos os dias na câmara e agora continuariam como assessores “pro-bônus”.

Salientou EDSON, que um prefeito, que foi inocentado até pelo Ministério Público, o qual entendeu que não era caso de cassação, mas que mesmo assim os vereadores que eram da oposição, acolheram um denúncia “laranja” e com o apoio sorrateiro do vice e sua vereadora que declarou publicamente que votou por “questões pessoais” aliaram-se para fazer uma cassação política e, finalizando disse que “não existe jeito certo de fazer coisas erradas” e que um dia a verdade vai aparecer.

Já o vereador TITI, ao final da última sessão, questionou a “grande” imprensa, especialmente “a amarelinha”, porque “calou a boca”, pois se antes, qualquer irregularidadezinha do prefeito fazia um estarlhardaço, agora “calou a boca”. Concluindo, disse que “o que cala a boca” de certa imprensa é o “cascaio”, porque quando termina o “cascaio” aí fala mal de tudo.  

De fato, a imprensa do “cascaio” ou “amarelinha” como se referiu o vereador, após a condução do Vice-Zado ao poder, já recebeu quase 2 milhões de reais através de agência de publicidade e outros contratos para captação de imagens, eventos ou shows do Município. Somente em 2019 foram R$ 1.129.964,88, quase 100 mil reais ao mês o que dá para algumas mídias fazerem “enquetezinhas” ou as tais “pesquisas” de intenção de voto como “gratidão” e com “pesquisadores” de fora do município para não serem identificados. Todavia como diz o TITI, “o cascaio cala a boca”, mesmo diante dos graves problemas do município que estão debaixo do nariz.

Deixe uma resposta