Promessas e mais promessas: pela enésima vez, foi cobrado a promessa de revitalização e calçamento da Rua Principal de São Clemente, desta vez, pelo Vereador Osmar de Sub Sede. De fato, o Distrito de São Clemente, além de ser o primeiro a ser fundado e o maior em número de eleitores, a população sofre, a quase 50 anos, todo tipo de risco ao circular pela Rua Principal, pois além da falta de calçadas adequadas, também enfrenta todo o tráfego de veículos pesados da Rodovia que serve Rondon e Toledo. É realmente uma vergonha!

Mesma situação: a mesma situação continua com as Ruas Ângelo Catani e José Bierdorf, mas a justificativa é que sempre tem que alterar ou complementar os projetos e que ainda depende da autorização do DER do Paraná, mas as promessas são renovadas a cada véspera de eleição.

Desmatamento: nunca na história de Santa Helena, houve tão pouca consideração pelo meio ambiente, especialmente pela preservação das árvores das ruas e praças que foram plantadas a quase 50 anos. Várias multas e inquéritos ambientais pelo IAP, Força Ambiental e outros órgãos já foram aplicadas ao Município, mas até agora não se sabe quem pagou a conta das multas, nem quem foi punido como ocorre, geralmente, com particulares. Exemplo desse descaso com o meio ambiente, estão na destruição nas praças do Redondo, Sub Sede na Av. Principal, Rua Brasília e até da Reserva da Ilha da Itapu, onde teria sido feito uma devastação para implantar uma trilha. É a gestão sem noção que prefere deixar os moradores sob o sol de 43 graus ou sob a “lama asfáltica”.

Indústria dos aditivos: a maioria das obras da prefeitura estão fora do cronograma, ou seja, sua conclusão está atrasada, como ocorre com obras milionárias de quase 4 milhões da praça Santos Dumont, a praça do Redondo que foi desmatada e continua paralisada há mais mês. Mas segundo vereador da base aliada do prefeito, a empresa precisa “ajustar a planilha de obras”. Isso quer dizer que vai pedir mais um aditivo de centenas de milhares de reais, como ocorreu com o Centro de Saúde da Ângelo Catani e várias outras obras, quase sempre pela mesmo “conglomerado” de construtora, que vence a maioria das licitações.

Lage “torta”: segundo o vereador Osmar, a Unidade de Saúde de Sub Sede continua sem qualquer previsão de entrega e pediu ajuda para entender o que está acontecendo. Segundo os vereadores aliados do Prefeito, a justificativa é que a Construtora tem que corrigir uma laje “torta”. Enquanto isso também o Distrito importante como Sub Sede, vive o improviso no atendimento na saúde e também com mais uma praça devastada sem autorização ambiental e sem previsão de uso.

Deixe uma resposta