Enquanto o prefeito, em regime de urgência, pede suplementação de verba de 6 milhões, sendo que R$ 3.280.000,00, apenas para comprar 4 mil lixeiras inox, inúmeras famílias e bairros inteiros vivem o drama, há anos, com alagamentos por falta de uma simples galeria pluvial.

O termo de referência e aviso de licitação das 4 mil lixeiras inox, com pedido de suplementação de orçamento, foi feito em tempo recorde, moradores de inúmeros bairros e ruas que vivem com a constante angústia da invasão das águas da chuva por falta de galerias pluviais para seu esgotamento.

Na própria Avenida Brasil, entre as Rua Porto Alegre e J.M.Madalozo, não existe galeria em plena Avenida para escoamentos das águas da chuva e das calhas dos telhados de inúmeros prédios, os quais tem que despejar a água sobre a pista, formando um verdadeiro “rio” junto ao calçamento, dificultando, inclusive, o acesso às lojas e apartamentos do lado de baixo da Avenida.

As imagens da chuva de ontem 03 de dezembro, dizem tudo sobre o descaso e falta de prioridade da administração, que a exemplo da falta ou inexistência de iluminação pública e também de abastecimento regular de água potável, são relegadas a segundo ou último plano, afinal fazer ou enterrar tubos de galerias,  não repercutem tanto na imagem como a instalação de  4 mil lixeiras inox pela valor de R$ 3.280.000,00, valor suficiente para comprar milhares de tubos, luminárias públicas  ou perfurar pelo menos, 164 poços artesianos para melhor abastecer comunidades ou aviários.

As imagens e vídeo abaixo são da rua Gilberto Dalbosco na data de ontem 03 e hoje 04 de dezembro.

Deixe uma resposta