Até a poucos semanas, a maioria dos vereadores da Câmara de Santa Helena, apoiava incondicionalmente a atual gestão. Mas que acompanhou as últimas sessões que as vozes solitárias dos vereadores Titi, Júlio e Edson sobre a grave realidade má gestão e gastos públicos, começaram a fazer eco até mesmo nos vereadores da situação.

Foi assim que, na sessão desta segunda feira (16.03.20), os vereadores Gesila, Tânia, Juliana e Noro repercutiram as cobranças dos Vereadores Titi, Júlio e Edson sobre os graves problemas de abastecimento de água, da precária iluminação pública, da epidemia da dengue, do atraso das obras, do inchaço da máquina pública, da terceirização da saúde e da falta de gestão e planejamento na aplicação dos recursos públicos.

O desabastecimento de água para agricultores e distritos continuam gerando inúmeras e indignadas cobranças

Já na fala pequeno expediente da sessão, a vereadora Gesila cobrou com veemência uma solução definitiva para o grave problema de abastecimento, destacando que famílias de São Clemente ficaram o final de semana sem água e que o fornecimento provisório como o caminhão-pipa só chegou as 10 da noite e que Linha Aparecida a água só chega aas 3 da manhã e que nunca se resolve, apenas amenizam, que tem que resolver, inclusive, falando em adotar controles de consumo e pagamento de taxa.

O vereador Júlio, citando o nome de vários agricultores da Linha São Gabriel e região, cobrou os investimentos aprovados em Lei sobre dezenas de poços perfurados e ainda inativos, a criação da Secretaria de Infraestrutura e abastecimento orçamento de mais de 20 milhões, com dezenas de funcionários, mas que dezenas de produtores de aves, gado leiteiro e suínos estão tendo que regular o consumo familiar para não perder a produção de animais e aves, dizendo estar cada dia mais “perplexo” com a falta de planejamento e soluções, pois se coloca “bombinhas” de 2 a 3 mil litros por hora, que sequer atende à demanda do consumo das famílias.

Já o vereador Titi, foi mais enfático e duro ao lembrar que dezenas de poços foram perfurados e estão desativados e que dois ou três caminhões-pipa não vão resolver o grave problema de abastecimento dos aviários, criadores de gado leiteiro, suínos. Que estão tentando “enxugar gelo” com caminhões e que mais de 20 motoristas contratados ficam esperando para fazer “rodízio para dirigir pouco os caminhões pipa”. Que tem gente sobrando. Que deveria ter mais gestão e fiscalização. Que a terceirização está ocupando vagas dos motoristas efetivos, os quais estão parados na garagem ou distritos. Mas que também existem motoristas que ficam parados alegando dores nas costas, mas que ficam bons quando conseguem fazer horas extras. Que falta gestão, comando, cumprimento da Lei, decisão do prefeito, que “está prefeito” mas não tem autoridade, pois se tivesse estaria fazendo gestão e comandando a equipe de Secretários, que também não tem autoridade, pois aparecem vários funcionários sem saber o que fazer. Que o Município deve administrar como uma empresa privada, que sabe que para gastar é preciso batalhar para ter receitas, enquanto que no Município a preocupação é só gastar e não aplicar com eficiência as Receitas.

Atrasos nas obras e falta de planejamento também foi destaque

Titi, ainda destacou e cobrou pelo atraso de várias obras, que foram aprovados os recursos, inclusive de suplementação para acréscimos e aditivos de empresas, mas que falta gestão, fiscalização dos profissionais que tem diploma para isso. Citando como exemplo a Praça do Redondo, a alargamento da Rua Bierdof, da Rua Minas Gerais, do prolongamento da Rua Argentina, da falta de projetos para melhoramento da Rua Ângelo Catani que deveria ser o cartão postal da entrada de Santa Helena, mas que é feia durante o dia e um “fantasma” para quem passa a noite, não havendo, inclusive placas de indicação para a Universidade UTRpr.

Em defesa do prefeito e respondendo as cobranças dos demais vereadores, o vereador presidente Paulo Vasatta, confirmou que existem 30 poços não ligados ou perfurados inativos, citando as localidades de São Vicente Chico, Linha Dona Oliva, mas que o da Linha Aparecida, cobrado pela vereadora Gesila, seriam ligados. Todavia, não existe justificativas, pois há poucas semanas foram adquiridos pela prefeitura mais de 1 milhões de bombas, tubulações e peças para solucionar os graves problemas do abastecimento, como como diz a vereadora Gesila, apenas  são soluções que amenizam e não resolvem definitivamente a questão, pois como endossa Titi, falta gestão, competência, planejamento.

Cobranças sobre a má iluminação pública continuam

Por sua vez, a vereadora Juliana cobrou também com insistência a situação precária da iluminação pública da cidade e distrito, destacando que é cobrada quase que diariamente pelos cidadãos. Que é uma questão corriqueira há muito cobrada. Sobre a mesma questão, o vereador Júlio, cobrou as centenas de reatores de iluminação, retirados do Balneário, mas que ninguém sabem a destinação.Lembrando que há pouco mais de um mês, mais de 1 milhão de reais foram licitados para compras de lâmpadas pela prefeitura, justamente para resolver a escuridão da cidade na iluminação público, que segundo a própria vereadora Juliana continua sem solução, pois as cobranças da população as vereadores são praticamente diárias.

Associação Comercial cobra da Câmara e Administração ações contra a dengue

Vereadores destacaram as cobranças da ACISA sobre ações e compra de equipamentos para um combate mais efetivo da epidemia da dengue que está afetando a atividade comercial e industrial, havendo dezenas de casos de funcionários confirmados com a doença e faltando ao serviço. O vereador Presidente Paulo Vasatta confirmou o ofício, mas alegou que em consulta com o jurídico da prefeitura não é possível o Município adquirir equipamentos, que essa é uma competência do Ministério da Saúde. Segundo os últimas informações oficiais, existem em Santa Helena mais de 400 casos confirmados e mais de mil notificados, mas estima-se pelos fatos e situações das empresas que os números são o dobro do oficial. Quando a impossibilidade de compra de equipamentos pelo Município, apenas lembrar que nos últimos dias a prefeitura licitou uma empresa para fazer o arrastão do final de semana por R$ 179.895,63 e R$ 17.469,00 para testes de dengue. Todavia o atendimento nos Postos de Saúde, segundo os infectados, anda muito precário por falta de infraestrutura e a maioria nem mais procura atendimento médico, permanecendo recolhidos em casa. A orientação é que todos tem responsabilidade e dever cuidar de seus quintais e residências quanto a proliferação dos vetores, especialmente de água em recipientes. Outra preocupação manifestada pelo vereadores e compartilhada com os comerciantes e quanto o “arrastão” que a atual gestão está fazendo para “agenciar” ou tirar empregados da iniciativa privada oferecendo empregos públicos, cargos em comissão em centenas de nomeações e especialmente na indicação para as empresas terceirizadas, sendo que alguns bons empregados do comércio e da indústria estão deixando o emprego por conta desse “assédio” político eleitoral, que além de imoral, prejudica as empresas. Fato curioso é que enquanto o Governo do Paraná e demais instituições públicas cancelam as aglomerações e especialmente qualquer evento, Santa Helena continua a contratar eventos para a festa de aniversário do Município além não cancelar o evento em homenagem ao dia da Mulher que consumiu: +57 mil em alimentos, +23 mil, +18 mil em ornamentação, +7 mil em locação de cadeiras, +9 mil em bebidas, + 3 mil em limpeza, +16 mil em curso, + 1 em locação do local e 23 mil em show de comédia. Total 132.818,00 mil sem contar com todos os riscos do coronavirus.

O bom destaque da sessão foi os elogios a cerimônia de colação de grau dos formados da Universidade UTFPR

O vereador Edson e Júlio participaram e lembram da cerimônia de colação de grau os formandos da turma de Ciência da Computação e de Ciências Biológicas, os quais destacaram a merecida importância do evento e do sucesso da implantação do Câmpus da Universidade Tecnológica Federal de Santa Helena como um marco histórico.

Destacaram ainda a lembrança no evento e o exemplo da união de vários esforços de autoridades e membros da Universidade para implantação do Câmpus, especialmente, do Diretor e Vice-Diretor do Câmpus, Doutores  Carlos Alberto Mucelin e Adelmo Lowe Pletsch, os quais, com competência e planejamento, transformaram as antigas instalações da Unioeste em uns dos maiores e mais bem equipados centros tecnológicos, contando agora como a graduação em Agronomia, uns dos cursos mais cobiçados e pertinentes para o Município e Região. Não sendo exagero afirmar que a URFPR de Santa Helena, foi uns dos investimentos de maior impacto e retornável do Município, pois a educação, é a indústria “sem chaminé” que mais contribui para o desenvolvimento sustentável. Embora ainda, a maioria da população não saiba sequer onde fica ou como chegar lá, não existindo sequer placas indicativas ou acesso compatível com sua importância.

Confira a sessão na integra:

Deixe uma resposta